"A independência do Homem encerra em si a mais destrutiva dependência do Ser"
— Daniel Bento

A necessidade criada pela própria existência, a necessidade criada pela própria definição de realizar, procurar, obter. A necessidade pura, egoísta, proveniente das profundezas do pensamento. Será a necessidade racional, irracional? Será a necessidade apenas um conceito para abstrair a referência do ser? Será a necessidade apenas um conceito para concretizar a sobrevivência de cada um? Apenas, só ou tudo?

Porém, é necessária.

Daniel Bento

"O dono da obra criativa pode nela a paz ter. É puramente sua"
— Daniel Bento

O domínio da perfeição “eu, o bom perfeito” no domínio do karyon “o núcleo”. Parte integrante da parte do ser que na perfeição se sente, deixando para o nada o ser que imperfeito procura a vida. O domínio da não diferenciação contida anteriormente à estrutura. O ser que nada é, passa a nada ser, não vivo, mas potencial corrupto do intocável, do bom, do puro. Pois no fim, ser e não ser, perdurar e não perdurar,  a vida e a morte.

Daniel Bento

O batimento do coração que antecede a palavra que culmina na vibração do ar, antecedendo a percepção da existência do ser. O tremor da terra que vibra as paredes brancas da cidade que chegam às nuvens pelo vento que corre e se embrenha pela encosta da montanha que ecoa pelo vale despido da rocha e que acaba no grito insano do Homem só, que o coração deixa de sentir.

Daniel Bento

Mensagem negra, vazia de sentido, seca de conteúdo. Mensagem que sai pela voz da profunda raiz da resiliência, pelo som da continuidade do espectro, pelo cheiro volátil a vida, pelo tacto inerte de reacção. Mensagem que  chega pela luz sensata do reacção, pela força do músculo da coragem, pela energia instantânea da emoção. Mensagem que o azul vê, a flor cheira, o vento ouve, o doce sabe, a pele calca…

Penhasco - Rocha elevada, rochedo escarpado. Rios de água que descem pela rocha, contornam os grãos de areia, à praia chegam. Rios de água que escorrem pela areia, contornam a rocha, no mar embatem. Rios de água, que da chuva aparecem, rios de água, que da maré se encontram, juntos… no areal, como dançarinos, músicos e instrumentos. A natureza, ela, bela… nos dá.

  1. Camera: Canon EOS 400D DIGITAL
  2. Aperture: f/22
  3. Exposure: 1/100th
  4. Focal Length: 28mm

Olhar circundante que antecede o sentimento, procede o contacto, visa a admiração, esconde a angústia, provoca a felicidade, subtrai a tristeza. Olhar directo e conciso, olhar provocador e poderoso, olhar mortal. Morte que chega, poder que não nos toca, provocação que não ultrapassa, olhar directo e conciso. Olha rico e pobre, rico no ser, pobre no espírito. Olhar incompleto e inteiro, incompleto no sentir, inteiro na verdade. Olhar brilhante e escuro, brilhante no ente querido, escuro na ausência. Olhar…

Destino - Sucessão inevitável de acontecimentos, por vezes relacionado com uma poderosa força exterior. Concepção de que nada pode escapar, tudo está traçado. Palavra também usada para se referir ao local onde se pretende chegar “ao fim do caminho”. Entre o significado metafórico e o significado real, restas-nos o fim. O resultado.

  1. Camera: Canon EOS 400D DIGITAL
  2. Aperture: f/5
  3. Exposure: 1/1250th
  4. Focal Length: 28mm

Por entre memórias perdidas no interior de um espaço ilimitado e confinado às paredes do potêncial inabalado de um sentir desmanchado entre as correntes de palavras que seguem caminho contornando o princípio do começo de uma vida que prossegue pelo terreno sinuoso da loucura transcendente e transfigurada do ser que pousa na árvore sem olhar o céu, sem descer à terra procurando emergir na onda do destino que o leva até ao Paraíso que renasce do Inferno e trepa pelo lago que corre para a montanha que expele o interior terreno, a alma quente e pura do universo.